Ultrassonografia Obstétrica Morfológica


Medicina Fetal

A Medicina fetal compreende uma área de atuação dentro da obstetrícia moderna voltada para a assistência especializada a saúde materna e fetal que passou a ter uma observação especial graças à melhora da qualidade e resolução dos aparelhos de ultra-sonografia. A visão do feto como paciente integrante de uma família e sua relação no binômio mãe-feto permitiu uma importante evolução obstétrica permitindo diagnósticos precoces e até tratamento fetal intra-útero. Além do mais, possibilita adequada orientação materna no que se refere ao melhor centro para a realização do parto na dependência da patologia encontrada, resultando em menor morbimortalidade perinatal.

Gestação de risco:

Embora algumas mulheres estejam no grupo de "alto-risco" para anomalias e aneuploidias fetais, quer pela história familiar, exposição de agentes teratogênicos ou infecções, a grande maioria das anomalias fetais ocorrem no grupo de "baixo-risco". São consideradas pacientes de alto risco: 1. Grupo de Risco - Identificável Previamente à Gestação * Idade materna acima de 35 anos * Casais consanguíneos * Abortamentos de repetição e mau passado obstétrico * Malformaçao fetal em gestação anterior * Cromossomopatia fetal em gestação anterior * Pais portadores de translocações cromossômicas * Doenças maternas crônicas: - hipertensão arterial - diabetes mellitus - doenças reumatológicas - cardiopatias e outras 2. Grupo de Risco - Identificável Durante a Evolução da Gestação * Gestantes isoimunizadas - fator Rh - fator plaquetário - outros * Soroconversão materna durante a gestação - toxoplasmose - rubéola - citomegalovirose - hepatite - herpes - varicela - Aids - outras * Intercorrências durante o ultra-som de rotina, tais como : - Polidramnia ou oligoamnia - Retardo de crescimento intra-Útero - Suspeita de alteração na morfologia fetal - Suspeita de alteração no ritmo cardíaco fetal - Alteração no exame dopplerfluxométrico * Exposição materna a agentes teratógenos (drogas, radiações, agentes infecciosos) * Rastreamento bioquímico materno alterado (teste tripo) * Doença materna aguda.

Ultra-som Morfológico Fetal Primeiro Trimestre

Possibilita o diagnóstico precoce de possíveis malformações graves ao avaliar aspectos morfológicos fetais em período em que se encerra a embriogênese. Realiza rastreamento ultra-sonográfico das anomalias cromossômicas através do estudo de marcadores como a medida da translucência nucal, identificação do osso nasal, estudo Dopplervelocimétrico do Ducto Venoso, estudo Doppler do fluxo na válvula tricúspide, ângulo facial, em particular nas pacientes de baixo risco (sem antecedentes e com idade inferior a 35 anos). Pode ser realizado entre a 11ª a 14ª semana de gestação, tendo como melhor período a 12ª semana a partir da data do último ciclo menstrual. Translucência Nucal Considerando o risco cromossômico basal calculado pela idade materna, a medida do espaço anecóico presente entre a pele e a coluna fetal realizada no período de 11 e 13 semanas e 06 dias de gestação, tem como resultado um valor correspondente ao risco corrigido para trissomias, a exemplo da síndrome de Down. A clínica AFAC possui profissional habilitado pela Fetal Medice Foudation, maior centro em medicina fetal sediada em Londres, obtendo o cálculo de risco através do software fornecido pela instituição inglesa. O resultado poderá, portanto, colocar a paciente em grupo de baixo risco ou pode implicar na possibilidade de realização de procedimento invasivo para diagnóstico definitivo.

Ultra-som Morfológico Fetal Segundo Trimestre

O que é o exame morfológico do segundo trimestre? - Exame ultra-sonográfico realizado entre 18 e 24 semanas que permite examinar a anatomia interna e externa fetal e detectar a grande maioria não somente das malformações graves, mas também avaliar “marcadores biofísicos”  ou ecográficos de anomalias cromossômicas e/ou genéticas. Quanto tempo dura o exame? - Por ser mais detalhado, o exame pode ser mais demorado que os outros, pois são verificados: o número de fetos, a localização da placenta, a medida do colo uterino (via vaginal) e a morfologia Fetal (Pólo Cefálico, Cérebro, Face, Coluna, Nuca, Tórax, Coração, Abdome, Aparelho Genito-Urinário, Extremidades, etc). Quem deverá ser submetida a esse exame? - Embora algumas mulheres estejam no grupo de "alto-risco" para anomalias e aneuploidias fetais, quer pela história familiar, exposição de agentes teratogênicos ou infecções, a grande maioria das anomalias fetais ocorrem no grupo de "baixo-risco" (sem qualquer história anterior). Consequentemente, o exame ultra-sonográfico morfológico deve ser oferecido rotineiramente para todas as mulheres grávidas. Qual a importância da detecção de malformações? - A importância da realização do exame morfológico durante a gestação reside nos seguintes fatos: - 2 a 3% dos recém-nascidos são portadores de uma ou mais malformações congênitas; - a malformação fetal é responsável por 30 a 50% da mortalidade perinatal, contribuindo também com 20% da mortalidade neonatal; - cerca de 95% das malformações externas e internas do feto podem ser diagnosticadas por um operador habilitado.

Ultra-som Obstétrico

É o exame realizado na rotina da assistência às gestantes. Deve ser realizado pro profissional habilitado, com experiência e conhecimento da fisiologia e estados patológicos da gestação, possibilitando adequada avaliação fetal bem com dos seus anexos (Placenta e líquido amniótico) em qualquer idade gestacional. A avaliação do bebê começa já em seu primeiro exame, realizado utilizando-se da via endovaginal, momento em que se faz o diagnóstico da implantação do saco gestacional, número de embriões e aspectos morfológicos de desenvolvimento, podendo já neste momento oferecer um prognóstico de bem estar, bem como adequada datação da gestação. Exames posteriores serão realizados em datas específicas como a avaliação morfológica do primeiro trimestre (entre 11 e 13 semanas +/- 6 dias) para rastreamento e cálculo de risco cromossômico, exame morfológico do segundo trimestre (entre 18 e 24 semanas) permitindo maior sensibilidade na detecção de malformações e outros de indicações mais restritas como Dopplervelocimetria e ecocardiograma fetal. Esses exames possibilitam o estudo fetal em tempo real, com o acompanhamento e avaliação do estado comportamental do feto, avaliação de órgão dinâmico como por exemplo o coração e o ritmo cardíaco fetal, além das movimentações características do desenvolvimento fetal (movimento ocular, deglutição, abertura de pálpebras, abertura das mãos), cálculo do peso e dados de biometria e crescimento, determinação do sexo fetal, assim como a avaliação da sua vitalidade pelos movimentos respiratórios e movimentos ativos fetais. A clínica AFAC disponibiliza profissionais com capacitação e vasto conhecimento nessa especialidade, oferecendo aos seus clientes e parceiros médicos, adequado suporte em exame de imagem.

AFAC - Clínica de Diagnóstico por Imagem